domingo, 30 de agosto de 2015

Luz - Fast food numa rua de Beijing

Clicar na imagem para a ampliar
Eram nove da noite. Fomos passear a pé, ver o movimento, a agitação era grande e o clima afável. Numa larga e moderna avenida de Beijing, onde se situam pelo menos dez hotéis de luxo e de cinco estrelas, assim como várias dezenas de lojas de grande luxo (Cartier, Prada, Louis Vuitton, Versace, assim como as populares Zara e Beneton), aparece, de repente, uma longa fila de stands de comida para levar ou comer ali, comes e bebes, “fast food”… Eram talvez duzentos stands, todos iguais, com número e nome dos responsáveis, com pessoal vestido da mesma maneira, com os mesmos bonés e aventais! Stands iguais, mas especializados nos seus petiscos. Provei umas deliciosas espetadas de fruta ao natural, outras com fruta mergulhada em açúcar caramelizado: óptimas! Quando comecei a ver comidas mais sólidas e espetadas mais problemáticas, percebi que estávamos em mundo diferente. Além da fruta, as espetadas podiam ser de pedaços de carne (talvez de porco) ou de inofensivos camarões e similares, mas também de ouriços, baratas gordas ou afins, cobras, lagartas, centopeias, aranhas e escorpiões. Dei “hossanas” ao relativismo cultural gastronómico, elogiei a diferença e a tolerância, lembrei-me dos nossos passarinhos fritos, dos caracóis, das pernas de rãs, das tripas e do arroz de cabidela… Mas virei as costas àquela bicharada toda e fui comer massa chinesa num restaurante vulgar e sem graça! (2014)

2 comentários:

bea disse...

Hummm...também não me parece que gostasse e comer tal bicheza. Até vivos os quero longe de mim, degluti-los é que nem pensar.

Massa chinesa...aprendi a fazer uma bem catita. Pronto, é melhor comê-la em Beijing. Mas a de minha casa tinha olhos em bico.

Maria do Céu Keil disse...

Para os chineses, a maioria destes petiscos são vistos como excelentes remédios para uma série de maleitas. O cardápio é vasto! Vitalidade, aumento da libido, virilidade, problemas circulatórios, alívio de dores de cabeça, etc. No interior do país e quanto mais rural for a região, maior é a crença no benefício de consumo de todas as espécies.

Na cidade de Yulin, na região sudeste, festeja-se a chegada do Verão com o “Festival de Carne de Cão”. A matança de milhares de cães (10.000 em 2013) reveste-se de uma crueldade hedionda. É ver para crer!
http://direitosdosanimais.org/website/noticia/show.asp?pgpCode=1AB2AC14-ADA6-E55D-8D8A-2ADB117E6326

A isto se chama tradição... A tudo isto prefiro que a Europa não se deixe iludir com o Tigre de Papel.