domingo, 13 de agosto de 2017

Sem Emenda - As Minhas Fotografias

Casamento em São Petersburgo – É, nesta maravilhosa cidade, uma intensa actividade de qualquer dia, mas sobretudo de fim-de-semana: casar e fotografar. Nos jardins, nos palácios, diante das catedrais, à beira do rio Neva, junto à fortaleza Pedro e Paulo ou perto do Hermitage: qualquer sítio de prestígio e beleza é bom para fotografar os noivos. O gesto é tão importante que a sessão de pose pode demorar umas largas horas e exigir mudança de roupa e de maquilhagem. Até porque depois se fará um álbum vistoso a distribuir ou vender aos convidados. Por isso, quando se observa uma destas sessões de fotografia, não se vê mais ninguém, nem sequer parentes próximos. O mistério é simples: as fotografias fazem-se uns dias antes. No dia da boda, não dava mesmo jeito nenhum fazer esperar os convidados umas horas!

DN, 13 de Agosto de 2017

Sem emenda - Cem anos. Tantos anos!

Com a chegada dos dias santos de Setembro a Novembro, começam as comemorações. Na Praça Vermelha, em Moscovo, com pouco lustro e ainda menos entusiasmo. Na Praça Kim il Sung, em Pyonyang, com aprumo e disciplina. Na Praça da Revolução, em Habana, com rum e saudades de Fidel. Na Quinta da Atalaia, na Festa do “Avante”, com música e bifanas. E pouco mais. A Grande Revolução Russa está à beira de desaparecer das agendas do presente. O Comunismo, seu principal herdeiro, deixou rastos de dor, nunca se saberá se mais ou menos do que o nazismo.

O século XX ficará talvez na história como o mais sangrento. Duas guerras mundiais, uma dúzia de guerras coloniais, dezenas de guerras regionais, ainda mais guerras civis e algumas centenas de milhões de mortos por violência política. A técnica de extermínio foi elevada a cumes nunca vistos, no Goulag soviético, nos campos nazis e na revolução cultural chinesa, sem falar nas execuções sistemáticas do Ruanda e do Camboja, entre muitas outras. Foi neste século que se generalizou a tortura e se inaugurou a guerra biológica e química, assim como a explosão de bombas atómicas. Foi este o século em que os alvos deixaram de ser essencialmente militares e passaram a ser civis. De Londres a Estalinegrado e Dresden e de Pnom Pen a Alepo a Mossul, a geografia do horror de massas deixa poucas esperanças e nenhumas dúvidas.

Também é verdade que foi neste século que uma centena e meia de países adquiriram a sua independência, que o capitalismo dominante se comprometeu com a democracia, que os direitos do homem fizeram caminho, que o racismo como sistema recuou e que o desenvolvimento científico, económico e social mais progrediu. Sim. Neste balanço do século, o melhor vai para a ciência, a democracia e talvez a cultura. Mas o horror foi muito e nunca visto antes.

O pior, pela dimensão, pela violência, pelo número de vítimas e pela duração, vai para o comunismo. Ou é partilhado com o nazismo. É seguramente um dos mistérios do século, ou antes, um dos problemas difíceis de resolver: por que razão ainda há comemorações? Por que motivos ainda há quem se intitule orgulhosamente comunista? O que faz com que o antifascista seja um herói e o anticomunista um selvagem? Como é possível que, ainda hoje, universidades, escritores, políticos, intelectuais, sindicalistas e trabalhadores aceitem que o comunismo tenha sido um avanço na história da humanidade?

A guerra civil, a execução de aristocratas e “russos brancos”, o assassinato de rivais, a eliminação de democratas, os massacres de milhões de camponeses, de judeus, de cossacos e de tártaros, o Goulag contra toda a gente, a perseguição de “cosmopolitas”, intelectuais e liberais, a censura, os trabalhos forçados, a fome programada e a destruição espiritual e física de todos os que não se submeteram são os pergaminhos de um dos mais tenebrosos sistemas políticos que a história conheceu. Mas os idiotas úteis continuam a dizer que o comunismo tinha desculpa, porque era em nome do povo! Que não foi assim tão mau, porque era contra o capitalismo. Que cumpriu a sua função, porque desenvolveu a Rússia!

As sociedades democráticas conseguiram compor com o capitalismo, que, com o tempo, se foi separando da ditadura. O que nunca aconteceu com o comunismo. Este e a ditadura associaram-se sempre, sem excepção. O convívio do comunismo com a democracia nunca aconteceu. Nem sequer na China, onde o comunismo conseguiu compor com o capitalismo, mas não com a democracia.

O fim do comunismo impressiona pela sua fragilidade (François Furet), pela rapidez com que desapareceu, pela maneira como ninguém veio ao seu socorro. O comunismo dependeu do regime soviético. Acabado este, acabou aquele. O que sobra hoje é um pequeno conjunto de caricaturas: a Coreia do Norte, Cuba e o PCP…

O que os exércitos não conquistaram, a Rússia, foi obtido pelo capitalismo. O que o nazismo não conseguiu, derrotar o comunismo e a União Soviética, foi alcançado pela liberdade e a democracia. É esse o aniversário a comemorar. Por muitos anos!

DN, 13 de Agosto de 2017

domingo, 6 de agosto de 2017

Sem emenda - Deutschland

A Autoeuropa é, em Portugal, o primeiro exportador e o mais importante investimento industrial. Está em curso uma negociação difícil entre a Volkswagen e os seus trabalhadores, a fim de garantir a produção de um novo modelo, o que trará muito emprego e mais exportações. A Comissão de Trabalhadores chegou a um acordo com a administração alemã. Os sindicatos comunistas estão contra o acordo, contra a empresa e contra a Comissão de Trabalhadores que não controlam. Os sindicatos venceram uma votação. A Comissão demitiu-se, não se sabe se a pensar numa reeleição. O assunto merece atenção. Na verdade, tudo deve ser feito, com dignidade e equilíbrio, a fim manter e desenvolver a Autoeuropa.

No entanto, como disse Wolfgang Münchau, no DN, esta semana, a VW e a indústria automóvel alemã estão em perda de importância. A responsável por essa destruição não foi a concorrência que os alemães tão bem souberam derrotar durante décadas. Nem sequer foram os acordos ilegais e secretos entre construtores (VW, BMW, Mercedes, Audi…). Foi a trafulhice que os dirigentes da Volkswagen praticaram durante anos: uma das maiores falsificações da história da indústria!

A Alemanha, actualmente, não é de confiança. Foi, mas já não é. A impressão que tínhamos de uma Alemanha séria, de boas contas, trabalhadora e rigorosa desvanece-se gradualmente. Um dos valores da Alemanha no mundo, a qualidade dos seus produtos, ficou danificado. A sua superioridade perante os concorrentes está comprometida. Vão ser necessárias décadas para recuperar uma reputação perdida.

A primeira mácula contemporânea na reputação alemã foi a história de doações financeiras aos políticos e aos partidos nos tempos de Helmut Kohl. Os processos não foram concluídos, nunca se apurou a verdade e poucos foram punidos.

Depois, a manipulação das taxas da Euribor foi episódio desastrado para a reputação alemã. O assunto provocou desgaste nos meios financeiros e deixou muita gente em posição desconfortável, mas as autoridades alemãs e europeias fizeram o necessário para não levar as coisas até às últimas consequências.

A honestidade alemã foi ainda abalada pelos negócios dos submarinos, pelo menos com Portugal e Israel. Já hoje há evidência suficiente, incluindo judicial, para sabermos que não se trata apenas de boato. Para vender os submarinos, a Alemanha, com conhecimento oficial e participação privada, fez o que podia e não devia para corromper Estados, políticos e militares.

A seriedade e o rigor da indústria alemã foram destroçados com as fraudes automóveis da Volkswagen destinadas a enganar os clientes e as autoridades ambientais do mundo inteiro. Não foi acidente nem invenção fortuita de técnico atrevido: foi uma actuação premeditada e minuciosa destinada a defraudar toda a gente! Os fabricantes de automóveis destruíram a reputação e o prestígio alemães. As autoridades colaboraram e tentaram diminuir os custos, sem o conseguir. Aos países poderosos os fabricantes pagam milhões de indemnizações e multas. Nos Estados Unidos, pagaram 25.000 milhões de dólares e retomaram 500.000 veículos. Aos fracos e devedores (Portugal, por exemplo), os fabricantes limitam-se a reparar o “software”…

A Alemanha soube fazer com que os Europeus pagassem grande parte dos custos da sua unificação. A Alemanha comunista foi admitida na União Europeia, sem aprovação pela União Europeia: foi assim porque foi assim, porque a Alemanha quis e a França deixou. A conversão do Deutsche mark comunista em Deutsche mark federal fez-se em termos paritários, o que foi em grande parte financiado pelos europeus, excluídos da decisão. Gostemos ou não, estes gestos foram políticos, revelaram força e influência, não foram feitos por meios ilegais. Agora, a Alemanha está a dar cabo de si própria!

DN, 6 de Agosto de 2017

Sem Emenda - As Minhas Fotografias


Volkswagen, com sua sombra, no asfalto de Brasília, em 1971 – Eram os anos da brasa da ditadura militar (que tinha começado em 1964). Brasília, mandada construir por Kubistchek, em 1956, ainda em democracia e inaugurada pelo mesmo em 1960, encontrava-se na sua primeira fase de desenvolvimento. Mas já os carochas abundavam pelas estradas e pelas cidades brasileiras. Iniciada no final dos anos 1950, a VW Brasil é uma das maiores subsidiárias daquela marca fora da Alemanha. Como em todos os outros países, a Volkswagen convive bem com qualquer regime político, democrático ou não. Começou as suas actividades ainda com Hitler no poder. É actualmente o primeiro produtor de automóveis do mundo e o maior de Portugal. O “carocha” é o quarto carro mais vendido de sempre. E o Golf o terceiro. E era, até há pouco, uma das marcas mais prestigiadas. O que parece estar a esboroar-se rapidamente. Por culpa própria.
DN, 6 de Agosto de 2017

domingo, 30 de julho de 2017

Sem emenda - Segredo de injustiça

Como foi possível chegar aqui, a esta polémica obscena a propósito dos fogos, em que quase todas as opiniões sobre os desastres, as causas, as soluções e as responsabilidades são dominadas pela simpatia partidária? O governo e apoiantes tudo fazem para esconder o falhanço, dissolver responsabilidades, acusar os serviços e denunciar a oposição. A oposição vitupera e acusa, faz demagogia, aproveita e aproveita-se. Toda a gente sofre em directo e chora para as notícias das oito. Fala-se em nome dos mortos, poucos referem os vivos.

Percebem-se os incêndios. Com o clima mediterrânico, as nossas matas, a desordem florestal, a insuficiência de bombeiros profissionais, a inércia dos governos fora da estação dos fogos, os criminosos mal castigados, as nomeações partidárias para os serviços de prevenção, a aquisição de um sistema de comunicações pelo ministro de então que é o Primeiro-ministro de hoje, as misteriosas compras de equipamento pesado, os estranhos contratos de aluguer de meios de combate, a corrupção imposta por alguns bancos e umas tantas empresas de serviços, com tudo isto, percebe-se que haja incêndios, que não haja prevenção adequada, que a luta contra os fogos acabe por ser descoordenada e ineficaz, que se coloquem em perigo de vida os bombeiros, os polícias, os enfermeiros e os guardas, para já não falar dos cidadãos, dos lavradores e dos velhotes.

Mas há algo que não se percebe. Como foi possível que um conjunto de instituições, prestigiadas umas, outras menos, considere que um desastre esteja em “segredo de Justiça” e que este se aplique a uma lista de mortos… Segredo de justiça? Para acidentes deste género? É simplesmente absurdo! Como é possível admitir que um governo invoque o segredo de justiça e se reclame da separação de poderes para não publicar a lista de mortos desde o primeiro minuto? Como foi possível chegar a esta hipocrisia canhestra que tenta esconder-se atrás de argumentos jurídicos que nada têm a ver com o assunto? Uma lista de mortos a enterrar é um segredo? De quem? Para quem? Os governos, as direcções gerais, as empresas de seguros, os bombeiros e os autarcas não têm obrigações perante os cidadãos? O que estava realmente em segredo? Os nomes? As circunstâncias? O sitio da morte? Ou as responsabilidades do governo?

Como é possível que se tenha estabelecido um black out informativo tentando impedir que autarcas, bombeiros, comandantes de guardas e polícias, responsáveis pela prevenção e pela saúde informem o público? E que se acuse de oportunismo e demagogia quem quer que faça perguntas sobre o que se passou? E que os partidos que apoiam o governo sejam incapazes de uma exigência de informação? Desde quando é demagógico fazer perguntas? Por que razão não se pode ou não se deve discutir o que realmente fez a diferença, isto é, a falha de previsão, a ausência de prontidão, a falta de coordenação e a carência de autoridade? Quem assim reage, como reagirá em todos os outros casos?

Como foi possível desnaturar de tal modo a democracia e os costumes para se chegar a este ponto? Como foi possível deixar que esta democracia se parecesse com a ditadura aquando das inundações de Lisboa e de outros desastres, para já não falar dos feridos e mortos da guerra do Ultramar com os quais o governo tentava também fazer selecção e tratamento? Como deixaram os deputados, os magistrados, os militares, os médicos, os autarcas e os comandantes dos bombeiros e das polícias que se chegasse a este ponto?

Que é feito dos homens livres do meu país? Estão assim tão dependentes da simpatia partidária, dos empregos públicos, das notícias administradas gota a gota, dos financiamentos, dos subsídios, das bolsas de estudo e das autorizações que preferem calar-se? Que é feito dos autarcas livres do meu país? Onde estarão eles no dia e na hora do desastre? Talvez à porta do partido quando as populações pedirem socorro e conforto.

DN, 30 de Julho de 2017

Sem emenda - Segredo de injustiça

Varanda renascentista das Capelas Imperfeitas no Mosteiro da Batalha – Não é facilmente visível. Para a encontrar, tem de se saber o que se procura. É uma extraordinária varanda construída numa fase adiantada das Capelas que virão a ficar “Imperfeitas”. Os seus autores serão Miguel Arruda e João Castilho, arquitectos do Mosteiro nos anos 1530 e 1540. A varanda (tribuna ou janela), recheada de imagens e símbolos de difícil interpretação, fica ofuscada pelo portal manuelino sobre o qual se encontra. A distância que nos separa dela ajuda a passar desapercebida. Mas é uma obra inesquecível. Além das personagens cimeiras, quimeras e seres híbridos, temos, na base das três colunas, o rei D João III ladeado por um Africano e um Índio! As esculturas, de autor desconhecido, terão sido feitas a partir de modelo, o que era raro e, no caso do rei, inédito até essa altura. Na verdade, são retratos. Aquelas duas personagens no mesmo nível e com quase a mesma dignidade do rei deixam-nos a meditar na nossa história.

DN, 30 de Julho de 2017