segunda-feira, 1 de novembro de 2010

José Luís Saldanha Sanches

.
SENTIR A FALTA de alguém. Eis um sentimento ambíguo. Porque é triste, muito triste, mas também porque é doce, muito doce. Sentir a falta é a melhor homenagem que se pode fazer. É alguém que nos dava e trazia qualquer coisa. Alguém que desempenhava um papel. Alguém para quem olhávamos. Alguém cuja opinião era referência: “que pensaria ele nesta situação?”, eis o que todos nos perguntamos em relação às nossas referências em qualquer situação.

Muitos sentem a falta de José Luís Saldanha Sanches. Os familiares, seguramente. Os amigos, não tenho dúvida. Os colegas e alunos, com certeza. Mas também os cidadãos atentos ao debate público. Em questões de cidadania, dos direitos humanos, de cumprimento dos deveres, da fiscalidade, do sistema de justiça e especialmente da corrupção, tinha-se transformado numa luz. Com o seu quê de Provedor, mesclado de Ancião e Profeta. Nos cafés, aquelas infernais televisões sempre abertas poucas vezes criam o silêncio. Com o José Luís, vi eu, era o caso. As pessoas queriam ouvi-lo.

Na origem deste fenómeno, estão vários atributos. A inteligência, a firmeza de juízo, a cultura e o doce sorriso. Mas havia outro, indelével: a honestidade.
Alguns dirão que a honestidade não merece ser sublinhada, é apenas o cumprimento do dever. Mas a verdade é que, actualmente, a honestidade é referida. Pela sua raridade, talvez. Tempos duros e difíceis, estes que vivemos.
.
Texto lido na cerimónia evocativa na Universidade Católica.

3 comentários:

driftin' disse...

Tal como «o carácter é como a árvore que tomba na floresta: ninguém sabe, a não ser que a ouça!...»

...A honestidade precisa ser semeada. Só que, há muito, a terra principiou a tornar-se estéril!

Laurus nobilis disse...

Sem dúvida, um cidadão que deixa saudade!

analima disse...

É verdade. Mesmo falando de assuntos que ao cidadão menos conhecedor pouco dizem tinha o condão de os tornar mais acessíveis o que, sem nunca perder em rigor, fazia dele um comunicador muito especial.
Em boa hora foi o seu livro publicado na colecção Ensaios da FFMS.