domingo, 16 de agosto de 2009

CITAC, meio centenário

CHEGUEI A COIMBRA em 1960. Ia estudar direito na qualidade de estudante voluntário. Isto é, trabalhava durante o dia na Fábrica Triunfo e estudava à noite ou quando podia. A dispensa de aulas era compensada com a obrigatoriedade de ir às “frequências”, espécie de exercícios ou de exames a meio do ano.

Rapidamente me aproximei do CITAC (Círculo de Iniciação Teatral da Academia de Coimbra). Por três razões simples. Gostava de teatro. Constava que aquele grupo era o mais “progressista”. E o meu amigo António Caeiro, da Régua, mais velho do que eu, levou-me pela mão. Com um argumento decisivo: nesse ano, começava a trabalhar com o nosso Círculo o Luís de Lima. Iria dar um Curso de Teatro aberto a todos os estudantes e encenar peças para o CITAC.

Passei a frequentar o CITAC ao fim da tarde e à noite, naquelas vetustas instalações nas caves da velha Universidade. Era um teatrinho pequeno, fantástico, talvez com 50 lugares. Ali passei o melhor do meu primeiro ano de Coimbra, com muito más consequências, pois claro, para os estudos.

Declamavam-se poemas, diziam-se partes de peças, o Luís de Lima ensinava um pouco de tudo: colocação de voz, presença em cena, movimentos, encenação, “acting” e mímica. Além disso, discutia-se tudo, teatro, política, cultura em geral e a vida associativa.

Logo no primeiro ano fui escolhido para representar uma peça, “A Rabeca”, de Prista Monteiro. Com outros três nos restantes papéis: o Pedro Sá Carneiro, o Virgolino Borges e o Lobo Fernandes. Nesse ano, o CITAC apresentava mais duas peças em um acto: “O Professor Taranne”, do A. Adamov (na qual desempenhou um grande papel o Francisco Delgado) e a “Conversação Sinfonieta”, do J. Tardieu. Foi nesse ano que fizemos uma primeira deslocação a Lisboa, ao Teatro Trindade, num espectáculo muito bem recebido pela crítica.

Nunca mais deixei o CITAC, a não ser em 1963, quando tive de me exilar no estrangeiro. Numerosos foram os dias em que, literalmente, vivia lá, de manhã à noite. No ano seguinte, tivemos novamente o Luís de Lima, que fez uma prodigiosa encenação do “Tartufo”, de Molière, (novamente Francisco Delgado no protagonista), com cenografia e guarda-roupa de um grande artista francês, André Acquart.

Em 1962/63, a PIDE, a Reitoria e o Governo proibiram que Luís de Lima voltasse. Foi um duro golpe. Tínhamos conseguido, com ele, dois anos fabulosos de aprendizagem e de encenação quase profissional. Era um ano muito difícil, a direcção da Associação Académica tinha sido suspensa, em Coimbra vivia-se um verdadeiro ano de ansiedade. Muitos tinham sido suspensos ou expulsos da Universidade. À última hora, conseguimos que um outro grande homem de teatro, António Pedro, viesse encenar uma peça durante o ano. Ele escolheu a “Fábrica universal de Robots”, do checoslovaco Karel Capek. Também participei. Foi o fim da minha “carreira teatral”.

Recordo os presidentes do CITAC daquele meu período: o Emílio Rui Vilar, o Mário Brochado Coelho e o José Manuel Beleza dos Santos. Eu fiz parte da direcção no meu segundo ano e fui presidente no terceiro. A seguir a mim, foi presidente o Octávio Cunha, que já fazia parte da minha direcção. Recordo também alguns dos actores e restante pessoal de teatro com quem fiz amizade: o Hélder Costa, a Eliana Gersão, o Germano Ferreira da Costa, o Fernando Assis Pacheco, o António Montez, a Hermínia Brandão, o Pedro Mendes de Abreu, a Graça Sampaio Cabral, o José Mário Branco, a Margarida Lucas, o Marcelo Ribeiro, o Eduardo Batarda, o Artur Cutileiro, o Mário Silva, o António Rocha, o António Lucena Sampaio e outros.

Naqueles três anos de Coimbra, aprendi política, fiz amigos, namorei muito e estudei pouco. Eu detestava a praxe, mas apreciava a vida associativa. O que de melhor ficou daquele período da minha vida foi o CITAC. Pelo teatro, com certeza, mas também por tudo o resto.

Foi através do CITAC que tive os primeiros contactos com a Censura e a PIDE. Nos nossos espectáculos (tanto aqueles em que representávamos nós, como nos integrados nos Ciclos de Teatro do CITAC que fazíamos todos os anos), era necessário reservar umas cadeiras para aqueles senhores. Quando queríamos encenar uma peça, era necessário enviar previamente várias cópias à Censura, que proibia ou autorizava com ou sem cortes. Por cada uma que autorizava, proibia três ou quatro. Assim foram proibidas, por exemplo, peças do Brecht, do Anouilh e do Luís Stau Monteiro, o “Godot” do Becket, ou “A bengala”, do Prista Ponteiro. Quando os Censores desejavam ser velhacos, cortavam partes de frases, palavras apenas, a fim de impedir que se fizesse a peça, sem que tivesse sido formalmente proibida.

Recordo ainda o modo como a Fundação Gulbenkian apoiava as nossas actividades. É um facto de que guardo uma doce e grata impressão. Apesar da nossa má fama (“todos do reviralho”, “todos comunistas”, um “alfobre de esquerdistas”), que aliás não era injusta, a Fundação sempre nos apoiou com generosidade. Pagava os encenadores, subsidiava os Ciclos de Teatro, financiava os custos com maquinaria e equipamento (luzes, órgão de luzes, gravadores, material de cena, etc.) e atribuía-nos mesmo fundos de maneio para despesas de todo o tipo, do guarda-roupa à caracterização. Pelo que recordo, as pessoas mais influentes nesse apoio eram, além de Azeredo Perdigão, Ferrer Correia e Vítor Sá Machado. As poucas vezes que vim a Lisboa, antes de regressar do exílio, era sempre por causa do CITAC e da necessidade de ir apresentar pedidos ou tratar de dossiers na Gulbenkian. Foi Sá Machado que sempre me recebeu.

Sabia na altura e confirmei mais tarde que a nossa boa reputação na Fundação provinha do facto de termos sempre feito trabalho com muita exigência, qualidade e seriedade. Parece que nos estou a dirigir elogios vaidosos, mas a verdade é que isso correspondia a uma atitude que o CITAC cultivava naquele tempo. Já era assim quando lá cheguei. E certamente que o Luís de Lima, trabalhador incansável, muito ajudou a desenvolver esse espírito. A boa arte e o bom teatro exigem trabalho, estudo, conhecimento e treino, não se compadecem com facilidades e improviso!

O CITAC foi uma verdadeira iniciação. Às artes e ao teatro, assim como à política. E aos costumes. No CITAC, cultivava-se o moderno, a vanguarda e o subversivo. Mesmo certas peças clássicas, como as de Gil Vicente ou de Molière, eram por nós representadas com uma tentativa de reinterpretação moderna. Vem a este propósito citar a “rivalidade” que existia entre o CITAC e o TEUC. Apesar de ambos estarem bem identificados com o que na altura se designava por “movimento associativo” (e que tinha também evidentes conotações políticas), as diferenças entre os dois grupos eram reais. O CITAC queria ser “moderno”, o TEUC era “clássico”. Além disso, nos bastidores, dizia-se descaradamente que o CITAC era realmente de esquerda e revolucionário, enquanto o TEUC era “só” democrático, eventualmente social-democrata. Estou convencido que estas últimas diferenças eram mais forjadas do que reais. A principal distinção era a do género de teatro que fazíamos. Mas nem sequer se pode dizer que o TEUC era “conservador” e o CITAC “progressista”, epítetos utilizados na altura, mas que não eram realmente verdadeiros. Por outro lado, o TEUC vivia muito sob a direcção permanente e longa de Paulo Quintela, professor catedrático de Letras (e um grande intelectual, tal como um dos maiores tradutores de poesia e teatro para a língua portuguesa). Era, justamente, a sua figura tutelar. Nós não conhecíamos tal situação. O CITAC vivia em autogestão estudantil, pode dizer-se.

Estas actividades culturais (que eram sempre muito mais do que isso) tinham na altura uma designação oficial: actividades circum-escolares. Era assim que o regime lhes chamava. E, aliás, tentava controlar, com a famigerada legislação do decreto-lei 40.900 e outras que se lhe seguiram. Por via do estatuto da Associação Académica de Coimbra, os estudantes tinham conseguido uma escapatória: alguns grupos pertenciam à Associação Académica, mas eram os chamados “organismos autónomos”, o que nos dava toda a liberdade. As nossas direcções eleitas, por exemplo, não tinham de ser reconhecidas e aceites pelo governo, o que era uma grande vantagem.

À distância, fica-me uma sensação indelével: o CITAC não era um intruso na vida académica. Não era uma “derivação”. Era simplesmente uma parte integrante e essencial da vida universitária. Infelizmente, hoje, pensa-se cada vez mais que as Universidades servem para fazer profissionais ou técnicos e que a sua missão é primordialmente a de ensinar e formar profissionais. Não é verdade. A função cultural das Universidades é pelo menos tão importante quanto a científica. Mas isso... são outros contos...

11 comentários:

Amélia disse...

Gostei de reviver consigo esta breve história do CITAC.Eu nunca integrei o grupo- mas penso ter assistido, senão a todas, pelo menos à grande maioria das peças que refere.E lembro em particular o Tartufo - em que entrava e contracenava com a Hermínia.Mas eu estava convencida (possivelmente erradamente) que o encenador tinha sido Marcel Marceau- se bem me lembro(mas começo a desconfiar das lembranças)ele até deu um curso de mímica...

António Barreto disse...

Cara Amélia,
Pode ter a certeza de que o encenador foi o Luís de Lima. Que, aliás, também deu um pequeno curso de mímica. Ele tinha sido discípulo do Marcel Marceau. Se houve um "francê" no "Tartufo" foi o André Acquart, cenógrafo, que passou uns dias em Coimbra para "afinar" o cenário. Estou actualmente fora de Portugal, caso contrário colocava no blogue uma fotografia que tenho, no palco do Avenida, com toda a equipa que trabalhou na peça, dos actores aos carpinteiros e maquinistas. E lá estão, ao centro da imagem, o Luís de Lima e o André Acquart.
AB

ruy disse...

A Eliana Gersão por quem tiveste um fraquinho...foi bom, teres recordado esses tempos e prestares justiça a Luis de lima e Paulo Quintela

josé medeiros ferreira disse...

Eu não fui do CITAC nem estudei em Coimbra mas gosto de te ver escrever assim!

maloud disse...

Ainda bem que descobri este seu texto. Vou imprimir para mandar ao Xico Delgado, meu primo, que está em Genève com uma leucemia. Sei que vai ficar deliciado.
Mªde Lourdes Delgado

Instituto do Quadrante Solar disse...

Tenho uma fotografia com toda a equipa no palco. O Mário Silva, eu (Sampaio e Melo) e outro, cujo nome não me recordo, todos do CAP (Círculo de Artes Plásticas), fomos ajudar o Andre Acquart na cenografia. Foi Luís de Lima que encenou a peça e lembro-me de ter frequentado algumas aulas de mímica. Gostava de saber a data exacta em que foi representada a peça. O Andre ofereceu-me um desenho intitulado «Avril au Portugal».

helena boino de azevedo disse...

Em 1960, depois de ter chegado a Coimbra à Faculdade de Direito, também fui para o CITAC. Para mim, tal experiência com Luís de Lima foi fantástica. Fui "soprano" da Conversação Sinfonieta de Tardieu, vim também ao Teatro Trindade e lembro-me também do presidente do CITAC (Emílio Rui Vilar) me ter agradecido eu ter escrito, imediatamente ao seu pedido, no Boletim sobre o aprendido, o realizado etc...
O facto de fazer muita coisa ... lembro-me de ter sido semi-responsável da Via Latina, do ponto de vista literário, absolutamente de raparigas...etc, etc, mas depois, fiquei tão doente que tive que deixar Coimbra e não voltei...
Para mim, foi bom, de repente, não sei porquê nem como ter descoberto coisas aqui escritas, que continuam na minha lembrança e que eu gostaria de ter elementos, elementos ...e não tenho.
Obrigada.
Helena Boino

Carlos Nery disse...

Acabei de colocar na minha cronologia do FaceBook algumas fotos do Tartufo. São as que tenho, não muitas... Mas dá para avaliar o espectáculo que se construiu para apresentar no velhinho Avenida! O que me espanta é que todo aquele esforço foi feito para uma única apresentação pública! É só ver em Carlos Nery

Márcia Regina Rodrigues disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Filipa Gil disse...

Sim, sim, Luís de Lima foi discípulo de Marcel Marceau.
Tínhamos sessões de mímica muito interessantes.No Teatro da Trindade,eu e a Madalena Von Hafe distribuímos os programas.A Casa dos Estudantes do Império acolheu-nos.Eu e o Forjaz Sampaio tratávamos das luzes e som e creio que o Pedro e o António Barreto foram duas das estrelas da "Conversação Sinfonieta".M.Adelaide Valente

Filipa Gil disse...

Sim, sim, Luís de Lima foi discípulo de Marcel Marceau.
Tínhamos sessões de mímica muito interessantes.No Teatro da Trindade,eu e a Madalena Von Hafe distribuímos os programas.A Casa dos Estudantes do Império acolheu-nos.Eu e o Forjaz Sampaio tratávamos das luzes e som e creio que o Pedro e o António Barreto foram duas das estrelas da "Conversação Sinfonieta".M.Adelaide Valente